Tripulantes se teletransportam em cena do seriado de TV “Jornada nas Estrelas"

Tripulantes se teletransportam em cena do seriado de TV “Jornada nas Estrelas"

MAIS:_Partícula mais rápida que a luz era falsa, diz revista

Um grupo de físicos chineses realizou com sucesso a teletransportação de partículas em uma distância de 97 quilômetros através de um lago na China. O resultado quebrou o recorde então vigente para o teletransporte quântico, que era de 16 quilômetros e pertencia ao mesmo time.

A experiência é importante pois, segundo Juan Yin, da Universidade de Ciência e Tecnologia da China, em Shanghai, o teletransporte em longas distâncias é fundamental para viabilizar a tecnologia de computação quântica com uma velocidade próxima a da luz.

O teletransporte de partículas já é realizado desde 1997, mas os resultados ainda estão muito distantes dos vistos em filmes de ficção científica. Por enquanto, os físicos somente são capazes de teleportar partículas quânticas, cujas dimensões são próximas ou abaixo da escala atômica.

O fenômeno que torna isso possível é conhecido como entrelaçamento quântico, que permite montar partículas com propriedades idênticas mesmo que uma esteja longe da outra. Nesse tipo de experimento, o átomo em si não é transportado, mas sim a informação desta partícula.

Em outras palavras, no teletransporte quântico, o engenheiro-chefe da Enterprise, do seriado de TV “Jornada nas Estrelas”, não conseguiria desaparecer de um ponto e se materializar em outro porque o que chegaria ao destino não seria o passageiro, mas um xerox do sujeito.

Mas se o teletransporte quântico ainda não consegue transferir uma pessoa de um lugar para outro, por outro lado ele pode ser aplicado para tornar a comunicação entre computadores mais rápida, criando disco rígidos com mais velocidade e capacidade infinita de gravar os dados.

Fonte: Technology Review