Hubble_01

Outro aspecto importante que também ajuda a medir com grande precisão a posição dos objetos é estar no espaço, fora da atmosfera da Terra. O sucesso do Hubble se deve, sobretudo, a capacidade de tirar fotos sem interferencia da atmosfera terrestre.

O James Webb também estará no vácuo do espaço, mas enquanto o Hubble está a pouco menos de 600 quilômetros da superfície terrestre, o novo telescópio ficará afastado 1,5 milhão de quilômetros, numa órbita além da Lua e com ainda menos interferência atmosférica que a da órbita do Hubble.

A enorme distância, no entanto, aumenta os riscos do projeto. Se algo der errado e o telescópio precisar de reparos, não a nada que a Nasa poderá fazer. O próprio Hubble passou por esta situação quando, pouco depois de entrar em órbita em 1993, descobriu-se que o espelho principal tinha um defeito que impedia o telescópio de focar objetos com a precisão planejada.

Na ocasião, a Nasa treinou intensamente sete astronautas que voarem a bordo do ônibus espacial Endeavour até o observatório espacial para realizar um extenso trabalho a fim de instalar a ótica corretiva. Porém, com o James Webb não existe a possibilidade de uma missão tripulada viajar mais de um milhão de quilômetros para trocar uma câmera queimada.